Possibilidade de ver o convento do Carmo antes do terramoto de 1755.

0
624

Antigo Convento do Carmo em Lisboa revelado em 3D

Como era a igreja do Convento do Carmo, em Lisboa, antes do terramoto de 1755? Uma equipa europeia liderada pela Universidade do Minho apresentou uma aplicação móvel e um livro que permitem ver o invisível. Por exemplo, “reconstroem” o templo, mostram o interior das colunas e simulam efeitos de um eventual sismo. O objetivo é servir o público, apoiar técnicos nesta área e replicar a inovação em monumentos pelo mundo.

Engenheiros, arqueólogos, arquitetos e historiadores de arte vão assim divulgar os resultados do projeto científico Heritage Within, que nos últimos dois anos juntou a Escola de Engenharia da Universidade do Minho, o Conselho Superior de Investigações Científicas de Espanha (CSIC), a Universidade Politécnica de Madrid e o Conselho Nacional de Investigação de Itália, sendo financiado pelo Programa Europa Criativa, da UE.

“O cidadão vai ver além da superfície, sabendo como cada coluna foi construída e qual a sua composição, pois poderá notar partes deterioradas, fendas a tratar, a distribuição da carga ou o tipo de material do núcleo das colunas”, diz o investigador coordenador, Javier Ortega. A app, designada Carmo integrated analysis, permite ainda ver no local e remotamente uma hipótese de como era a igreja original. Já o livro Heritage Within tem 120 páginas e, em breve, fica também ao dispor em pdf. (CTRL+clik em remotamente para ver em 3 D).  A sessão de apresentação contou com as boas-vindas de José Arnaud e Célia Pereira, do Museu Arqueológico do Carmo. Seguem-se os detalhes dos cientistas sobre a reconstrução 3D e o uso das tecnologias, como tomografia ultrassónica, radar penetrante terrestre e o potencial do uso da realidade virtual e aumentada para o diagnóstico de estruturas históricas.

Para imóveis históricos no mundo

As ruínas do Carmo são o estudo-piloto do projeto, mas a ideia é que o formato seja aplicável para ruínas e edifícios históricos de todo o mundo, inclusive os que são Património Mundial. “Temos uma abordagem inovadora que permite fruir e valorizar o património cultural construído, mostrando com as novas tecnologias o que está invisível e completando o monumento”, frisa Javier Ortega. Aliás, continua, “isto permite também à sociedade compreender melhor a cultura, o trabalho dos peritos e a importância das tecnologias envolvidas”. O engenheiro civil e arquiteto acrescenta que este tipo de plataformas é útil para outros técnicos, pois pode ajudar na interpretação dos resultados e no diagnóstico.

Universidade do Minho

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here