Em Portugal nasceu o homem que colocou grande parte do mundo no mapa

0
21
As descobertas de Magalhães

Três cidades filipinas com o nome de Magalhães

“Magalhães, Magallanes, Magellan é um título enganosamente inocente para o seminário de Lisboa organizado pela Embaixada das Filipinas. O simples ato de posicionar a forma em português, espanhol e inglês do sobrenome de um explorador do século XVI ressalta não apenas questões de idioma e tradução, mas em um nível mais profundo, a questão do ponto de vista da história.

Nas Filipinas não faltam referências históricas: há três cidades com o nome de Magalhães nas províncias de Sorsogon Cavite e Agusan del Norte; um condomínio fechado de luxo, uma estação ferroviária e um intercâmbio rodoviário em Makati, na Grande Manila. Existem numerosos nomes de ruas, monumentos, memoriais e referências históricas em todas as Filipinas que os filipinos veem diariamente, mas não prestam atenção.

Se a História é um ato consciente de lembrança, então a questão colocada no seminário de Lisboa é: Como Fernão de Magalhães é lembrado hoje nas Filipinas? Como ele deve ser lembrado? As respostas a essas perguntas não apenas levam ao impacto de um evento que ocorreu cinco séculos atrás nas Filipinas ontem e hoje, mas mais importante ainda destacam os vínculos históricos entre Filipinas, Portugal e Espanha que podem fornecer informações úteis para nos ajudar a navegar, como os antigos exploradores, o futuro desconhecido e incerto.

“A expedição de Magalhães, embora seja um episódio muito importante da história das Filipinas, atinge um grau não apenas transnacional, mas também de proporção transcendental, pois o evento em si, assim como a magnitude do feito de Magalhães, não apenas definiu o curso da história de uma nação ou até de nações, mas da humanidade em geral. Embora a maioria das histórias de Magalhães tenha atribuído à expedição uma importância marginal na expansão imperial da Espanha no século XVI, a Armada das Molucas foi, na realidade, a primeira frota expedicionária a levar o mandato do sonho de Carlos de um império em expansão, o Plus Ultra, que literalmente se traduz, “Mais além”. A expedição, portanto, foi encarregada de levar além dos limites dos enclaves coloniais familiares do seu império, os seus sonhos ambiciosos de colocar sob seu domínio o mundo misterioso do ultramar, e lançar as bases para o extermínio dos mouros, a conversão dos pagãos ao cristianismo, o controle global das especiarias e pedras preciosas e a expansão das fronteiras imperiais além das Américas.

Um homem que desafiou o medo e a ignorância de seu tempo

“Fernão de Magalhães eleva-se acima dos outros personagens históricos de sua época ao liderar a Europa para fora do período medieval. Ele navegou pelos oceanos cheios de esperança de novas descobertas, contra a superstição e a ignorância de seu tempo. Ele montou a “Grande Armada Das Molucas” e partiu a 20 de setembro de 1519 e, depois de quase dois anos no mar, a sua expedição épica avistou terra a 17 de março de 1521 na atual ilha de Samar nas Filipinas. O evento mudaria o curso da história para sempre, principalmente no país que mais tarde seria chamado Las Islas Filipinas.

A semente do cristianismo que Magalhães plantou caiu em solo fértil

“Antonio Pigafetta escreveu que a pessoa que introduziu o cristianismo no nosso país não era um membro da hierarquia católica, mas o próprio chefe da expedição, que por acaso era português. Para muitos filipinos católicos, que compõem 80% da nossa população, Fernão de Magalhães será lembrado não apenas como navegador, explorador e colonizador. Seu legado duradouro em nosso país é seu papel como pregador que convenceu os habitantes de Cebu a abandonar sua religião popular e aceitar o cristianismo. A imagem do menino Jesus que chamamos de “Sto Ñino de Cebu” e a cruz que eles plantaram, que as pessoas chamam de “cruz de Magalhães”, permanecem importantes tesouros nacionais que atraem devotos locais e estrangeiros.

In DN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here