PONDRAS – UNIÃO DE FREGUESIAS DE VENDA NOVA E PONDRAS, MONTALEGRE

0
29
Pondras - Capela do Padroeiro São Pedro Fins
Alminhas na Rua principal da aldeia de Pondras.

 

Rua Principal

PONDRAS – UNIÃO DE FREGUESIAS DE VENDA NOVA E PONDRAS, MONTALEGRE

O Lugar de Pondras, já existia quando foi efetuada a sua inquirição em 1258. Pertencia à Paróquia designada por S. Fins. Sancti Fiiz. O Abade era Martinho Moniz, foi o relator desta inquirição após juramento, informou que a Igreja não era do Padroado Real, mas o Rei tinha aí o seu reguengo[1]: em Pondras tinha um casal no fundo da aldeia, pelo qual davam anualmente ao rei a oitava parte do cereal recolhido e eiradega[2], chamando o mordomo do rei para recolher o rendo, já que era neste casal que funcionava a serviçaria[3], onde todos os que ali moravam davam pelo Santo Estevão. Uma pá de toucinho com nove costelas, sem pé e seis medidas de pão pela teiga de seis. Os que não possuíssem carne ou pão pagavam dezasseis dinheiros leoneses[4]. A Coroa possuía também duas leiras em Ormisti e um campo em Pelágio Alphonsus, pelos quais recebia a oitava parte de todos os frutos. Em Ormeche tinha um campo junto á Lama que lhe rendia a quarta parte dos frutos.

Em Cerzedo possuía aí o rei mais três campos: Um na Anta, outro em Vale Mozo e um terceiro na fonte de Milaras. Por eles recebia a oitava parte. S, Fins, pagava dois bragais de fossadeira, pela Pascoela, um pelo casal de cima e outro pelo casal por baixo da aldeia.

Pagavam ainda (voz e coima, lutuosa, goiosa) [5]e no mês que entendessem, imposto de vida e cevada ao mordomo[6] do rei, conforme uso na terra.

O Abade informou que em Pondras, havia um casal de D. Maior Gomes que não pagava qualquer foro ao Rei, esclarecendo que não sabia onde tinha visto isso. O Abade informou ainda que na paróquia, não havia coutos, honras novas ou residências fortificadas, nem cavaleiro ou ordem tinha aí adquirido nada recentemente.

Como se pode constatar, os nossos antepassados trabalhavam no campo, tinham alguns animais domésticos, mas andavam vergados com tantos e pesados impostos. Já nessa época havia impostos em quase tudo em diversos meses do ano e ainda eram mobilizados para pegar em armas, para defender a sua vida e dos seus e a fonteira dos invasores. Grandes homens, que conseguiram manter-se vivos. Chegamos até hoje e estamos cá porque os nossos antecessores, com fome, malvestidos e mal calçados, mal armados e com frio, resistiram. Eles são os nossos verdadeiros heróis.

No presente o Lugar de Pondras faz parte da Paroquia de Salto.

[1] Reguengos – eram bens em que a coroa tinha domínio pleno. Nos prédios constantes das cartas de foreiros o senhor rei só recebia alguns dos direitos.

[2] Eiradega – Tributo pago ao senhorio em cereal, linho ou vinho. O seu valor variava com a região.

[3] Serviçaria – Celeiro ou local de armazenamento de tributos ou foros.

[4] – Imposto pago pelo rendeiro ao proprietário das terras.

[5] Lutuosa – Imposto pago por falecimento do rendeiro aos seus herdeiros para manter o emprazamento. Gaiosa – Imposto pago pelo rendeiro ao proprietário das terras para poder casar.

[6] Mordomo – Oficial de Justiça e cobradores de impostos, que segundo Alexandre Herculano representava a Entidade Administrativa. Citava, executava e cobrava impostos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here